Igreja de Santa Luzia

A Igreja de Santa Luzia é uma igreja católica portuguesa localizada na freguesia de Santa Luzia, concelho de São Roque do Pico, na ilha açoriana do Pico.

A freguesia de Santa Luzia fica situada entre as freguesias de Santo António e Bandeiras, no litoral do Pico, localidade cujas culturas se circunscrevem a vinhas e árvores de fruto.

Localidade por muito tempo dependente de Santo António, nela viveu nos fins de século XVI um indivíduo chamado Vicente Pereira Furtado que mandou construir, ao lado de suas casas, uma ermida dedicada a Santa Luzia. Ele próprio estabeleceu o património deste templo que era pobre e coberto de colmo, determinando que junto do altar ficassem a sua sepultura e dos seus descendentes.

Esta ermida inicial teve a sua origem quando a então localidade de Santa Luzia se constituiu em 1617 como freguesia. Na altura da sua construção não tinha pia baptismal e foi consagrada à Virgem Mártir.

Em 1718 a crise sísmica e eruptiva que destruiu praticamente tudo o que era construção humana e cobriu a terra com uma espessa camada de lava que se estendeu em grande largura e por uma extensão de nove quilómetros até ao mar, destruiu também o templo então existente.

Foi desta modesta ermida que nasceu a igreja paroquial de que já há noticia, como sede de paróquia, em 1723. Em 1733 seria reedificada e ampliada, na obra: «Cousas Antigas» o padre Zeferino relata o casamento de escravos ali ocorrido corria então o ano de 1746. Por essa época era seu administrador um filho do fundador, Caetano Pereira Furtado, que de novo recomendava querer ser sepultado com os seus sucessores, junto do altar.

A construção deste templo já com a categoria de igreja foi lenta e por fases, dadas as dificuldades económicas existentes.

Em 1800, o templo em questão voltou a ser reedificado, obtendo então, ao que parece, a fisionomia actual embora sem as torres.

Só em 1844 é que se procede à construção de uma das torres sineiras, das duas torres assimétricas que possui e só em 1876 é que foi pintado o Retábulo do Altar-mor.

A suas festividades, dedicada a padroeira Virgem Mártir Santa Luzia, fazem-se no dia 13 de Dezembro de cada ano.

O seu frontispício é clássico, as suas torres desiguais e acanhadas, e o seu comprimento é de 35 metros.

Possui uma só nave e três altares. O orago respectivo, Santa Luzia, tem uma festa anual muito concorrida.

Nesta ermida celebrou-se durante muitos anos, no inicio do povoamento, o culto pagão de oferenda dos olhos de animais acompanhado por uma prece causada pelo medo de perder a visão. Possivelmente e porque provavelmente a maioria das oferedas seriam olhos de galos, essa celebração ficou conhecida por Festa dos Galos.

Império do Divino Espírito Santo

O Império do Divino Espírito Santo de Santa Luzia é um Império do Espírito Santo português que se localiza na freguesia de Santa luzia, concelho de São Roque do Pico, ilha do Pico, arquipélago dos Açores.

Este império foi fundado em 1721, data que ostenta na fachada.

Ermida da Rainha do Mundo

A Ermida da Rainha do Mundo é uma Ermida portuguesa localizada no Largo dos Arcos, freguesia das Santa Luzia, concelho de São Roque do Pico, na ilha do Pico, no arquipélago dos Açores.

Esta ermida cuja construção recua ao século XX é dedicada a devoção da Rainha do Mundo, tem a sua fundação no ano de 8 de Dezembro de 1954.

Ermida de São Mateus da Costa

A Ermida de S.Mateus da costa, no sítio do Cabrito nome este que advém da rocha com feito de cabeça de cabrito, fica situada fora do povoado, em frente a uma baía. Por vezes, ali dão à costa várias coisas. Diz-se que a imagem de S.Mateus ali foi encontrada, dentro de um caixote, e foi levada para a igreja paroquial. Misteriosamente, a imagem apareceu no local onde foi feita a ermida. Ao lado da ermida, existem restos de uma fortaleza, a que o povo chama “castelete de S.Mateus”. Tudo leva a crer que foi defesa  contra os piratas moiros.

Porto do Cabrito

O Porto do Cabrito é uma instalação portuária portuguesa, localizada no lugar do Cabrito na freguesia de Santa Luzia, concelho de São Roque do Pico, ilha do Pico, arquipélago dos Açores.

Esta instalação portuária é principalmente usada para fins piscatórios e de recreio.

Ermida de São Domingos

A Ermida de São Domingos é uma Ermida portuguesa localizada no lugar das Almas, freguesia da Santa Luzia, no concelho de São Roque do Pico, ilha do Pico, no arquipélago dos Açores.

Esta antiga ermida já existia a quando do testamento feito em 1670 por Domingos Nunes da Costa ao seu filho padre. Procurava desta forma onera-lo com as missas que se viessem a celebrar na ermida.

Séculos mais tarde, cerca de 1922 e em consequência de uma derrocada iminente da ermida os herdeiros do Domingos Nunes viram-se na contingência de terem de deslocar para as suas casas todo o recheio da ermida, incluindo o altar em talha dourada e a imagem do padroeiro.

Corria o dia 14 de Julho de 1986 deu-se a o restauro da ermida na sua traça primitiva, incluindo a sineira original, passando assim a ermida novamente a poder acolher os fiéis.

Dado ser impossível a reposição do recheio original houve a necessidade de se encontrar uma forma mais modesta de compor a ermida.

No então do recheio original existem ainda as magníficas imagens de São Filipe de Neri e de São Tomé, além de dois quadros trabalhados a fio de ouro que datam de 1782 e retratam São Domingos e São Vicente.

Estas imagens primitivas só voltaram a ermida após a sua doação pelos herdeiros corrida em 1982.

Ali se realizou em Agosto de 1991 um batizado.

Mais recentemente, em 1996 a ermida foi sujeita a restauros e manutenção.

Solar dos Salgueiros

O Solar dos Salgueiros é um solar português, localizado na freguesia de Santa Luzia, concelho de São Roque do Pico, ilha açoriana do Pico,

Este solar apresenta-se como uma casa de boa construção, solarenga e ampla em cujas envolvências, protegidas por um muro alto, construído em alvenaria de pedra seca e de apreciável altura, se encontram locais de lazer, adegas, casas de arrumos, construídas com um só piso, retrete exterior (como antigamente existia) e um poço de maré.

O acesso a este solar e ao seu recinto é feito por dois amplos portões, um deles, considerado como o principal e outro cujo acesso à saída da propriedade dá para o largo onde se localiza a Ermida de Nossa Senhora da Pureza.

O solar apresenta na sua fachada principal um balcão servido por uma escadaria dupla, que se apresenta simétrica, e onde é possível observar pedras salientes, dotadas por um orifício, destinado à fixação de um mastro para bandeira.

Nesta ampla escadaria também é possível observar um painel de azulejos onde é possível ler-se a inscrição “Solar dos Salgueiros“.

A cozinha é formada por um corpo com dois pisos e um balcão anexo e também por um forno cujo volume é exterior ao edifício. Junto a esta parte do edifício encontra-se uma cisterna adossada.

O referido poço de maré é protegido por um muro em formato quadrangular e encontra-se situado no meio do caminho, na zona do Lajido.